5 Tipos de Transporte de Materiais na Indústria

Hoje em dia existem diversas formas de transportar materiais na indústria, como as rodovias, as ferrovias, os minerodutos etc. Mas entre todas essas, qual seria a mais eficiente? Existe uma forma melhor ou pior? Ou todas possuem as mesmas vantagens?

Confira neste post, os 5 principais tipos de transportes de materiais na indústria, suas vantagens e desvantagens.

Ferrovias

O transporte ferroviário é um dos mais antigos que existem. Ele é feito através de vias férreas e pode transportar, entre outros, pessoas e cargas. 

A origem desse meio de transporte está ligada diretamente com a Revolução Industrial do fim do século XVIII e começo do século XIX.

A locomotiva revolucionou o jeito de transportar materiais e produtos, por ser capaz de carregar muitas toneladas de uma só vez. Inclusive, até o começo do século XX, o trem era o transporte mais rápido que existia.

O uso das ferrovias foi muito comum para transportar materiais na indústria, além de ser recomendado para transporte de cargas como minérios, produtos agrícolas, fertilizantes e etc. Porém, a sua utilização vem diminuindo cada vez mais.

Dentre os principais problemas do transporte ferroviário estão: a incapacidade de percorrer locais com o solo acidentado e o fato de não poder levar os produtos e materiais até os centros comerciais, uma vez que o trem percorre um caminho pré-definido, por conta dos trilhos.

Além disso, mesmo tendo a capacidade de transportar uma grande quantidade de cargas por longas distâncias, o transporte ferroviário gera um custo alto na construção e manutenção das ferrovias. 

Por conta disso, o transporte rodoviário vem tomando o espaço do ferroviário.

Rodovias

O transporte rodoviário no Brasil foi – e ainda é – o meio responsável pela maior parte do transporte de cargas e pessoas pelo nosso imenso país.

A grande crítica à utilização das rodovias como meio de transporte é o fato de não serem recomendadas para países do tamanho do Brasil.

Em geral, as rodovias costumam ter um custo de manutenção mais elevado do que outros meios, como o ferroviário e o hidroviário, sem falar no gasto com combustíveis e veículos utilizados.

Além disso, a qualidade das rodovias no Brasil não é boa, e existem estradas que ainda não são pavimentadas, mesmo com a privatização de muitas rodovias pelo país.

O uso das rodovias para transportar materiais na indústria é recomendado para transporte de cargas como minérios, cargas vivas, fertilizantes, madeira, veículos e outros.

Hidrovias

O transporte hidroviário é o menos utilizado no Brasil, apesar do grande potencial do país nessa área. A nossa rede hidroviária é muito ampla e muitos rios são navegáveis, sem sequer precisar de obras de correção e instalação de equipamentos, por exemplo.

Uma justificativa utilizada para a baixa utilização é o fato de os rios mais próximos dos grandes centros precisarem das obras de correção citadas anteriormente, para que o transporte seja facilitado. Os rios facilmente navegáveis estão localizados em áreas afastadas.

Porém, após a criação do Mercosul, os investimentos públicos em hidrovias cresceram, apesar de ainda serem insuficientes. As principais hidrovias do Brasil são a Tietê-Paraná, a do Rio São Francisco e a do Amazonas.

As hidrovias são muito úteis para cargas muito pesadas e que precisam percorrer grandes distâncias. O transporte hidroviário é bem mais barato se comparado com os transportes rodoviário e ferroviário, em termos de custo, capacidade de carga e  impacto ambiental.

Entretanto, a infraestrutura de portos que sejam capazes de receber cargas por hidrovias da mesma forma que navios petroleiros é insuficiente, e existem poucos portos pelo mundo que são capazes de realizar esse tipo de atividade.

Minerodutos

Já falamos deles em um post antigo do blog e você pode saber tudo aqui

A estrutura do mineroduto é composta por um cano que transporta a polpa de minério, composta por 35% de água e 65% de sólidos, como o minério de ferro, por exemplo.

A polpa é bombeada por centenas de quilômetros até o processamento final. Além da água, os minerodutos também utilizam energia elétrica para o transporte da polpa.

O uso de minerodutos é avaliado como a opção menos poluente e mais barata do que outras alternativas para transportar materiais na indústria. Eles emitem menos poluentes, como dióxido de carbono e enxofre, gerando menos gastos para a mineradora e também a diminuição de impactos ambientais.

Porém, infelizmente, nem tudo é perfeito

A maior preocupação no uso desse sistema de transporte de minerais é o gasto de água necessário para realizar o processo.

A quantidade de água utilizada para bombear o minério pelo mineroduto, dependendo da distância, poderia abastecer grandes cidades, e essa informação não deve ser recebida de forma leviana.

As mineradoras justificam a aplicação dizendo que, com o uso de água não potável vinda de rios poluídos, por exemplo, o impacto para a população não seria grande. Outra opção seria o reaproveitamento da água usada no processo.

Outra desvantagem é o desmatamento e a terraplanagem de grandes áreas para a criação de minerodutos. A fauna e a agricultura dessas áreas poderiam ser afetadas de forma significativa.

Correias Transportadoras

Até agora falamos de transporte de cargas pelo país, mas e dentro das fábricas? É aí que entram as correias transportadoras, utilizadas para carregar produtos e matérias-primas de um ponto a outro.

Também conhecidas como esteiras ou tapetes, elas são acionadas de forma mecânica, criando um processo constante e intermitente. Estes sistemas padronizam a produção, aumentam a sua velocidade e reduzem custos.

As correias transportadoras são um exemplo de automatização dos processos e trazem economia e segurança de operação, garantindo a confiabilidade da sua produção.

Conclusão

As formas de transportar materiais na indústria são as mais diversas, passando por meios terrestre e fluvial.

Em um país do tamanho do Brasil, podemos notar que é preciso essa grande variedade de meios de transporte para que haja menos dependência das rodovias no transporte de mercadorias e pessoas.

Outro motivo para que haja essa variação nos tipos de transporte é que cada setor tem as suas necessidades. Mas é preciso ficar sempre de olho nos impactos ambientais e na segurança do trabalho.

Assine a nossa newsletter e fique por dentro de outras dicas e novidades.

FONTES

  • Mais de 35 anos de experiência em automação e controle de processos.
  • Mais de 13 mil horas de engenharia de aplicação on-site
  • Mais de 5000 soluções de instrumentação desenvolvidas