A Engenharia Civil Muito Além da Obra: Conheça Diversas Outras Oportunidades Para a Profissão

Se você está cursando ou atua na área da Engenharia Civil, já parou para pensar que existem alternativas além do canteiro de obras para aplicar seus conhecimentos adquiridos durante o curso? Continue lendo para saber mais!

O que é a Engenharia Civil?

A Engenharia Civil é uma das principais áreas da Engenharia e tem como foco o desenvolvimento e bem-estar de todos. Ela é a área especializada na prática de projetar, construir e melhorar a infraestrutura de lugares.

Está diretamente ligada à concepção, supervisão, manutenção e projeção de edifícios comerciais, para habitação, locais corporativos e de itens de infraestrutura, como pontes, usinas, barragens, ferrovias e outros. Também faz parte da Engenharia Civil garantir a inspeção, a análise e a manutenção para que o que foi criado seja preservado.

O conceito de Engenharia existe desde a antiguidade, com invenções fundamentais, como a roda, a polia e a alavanca, pelo ser humano. Conforme os projetos de estruturas civis, como pontes e edifícios evoluíram, entrou no vocabulário, na época da Revolução Industrial, o termo “engenharia civil”. Isso ocorreu em 1786, quando o inglês John Smeaton se autodenominou Engenheiro Civil como forma de diferenciar a atividade de construção daqueles projetos não militares e as máquinas de guerra desenvolvidas pela engenharia militar.

As Pirâmides do Egito, os Jardins Suspensos da Babilônia, a Acrópole de Atenas, o Coliseu de Roma, as cidades dos antigos Maias, Incas e Astecas, a Muralha da China, por exemplo, servem como uma prova material da genialidade e habilidade dos antigos engenheiros.

Quais são as áreas de atuação de um Engenheiro Civil?

Quando pensamos em Engenharia Civil, é comum que ela seja associada a construção de edificações, normalmente. Entretanto, a área de Engenharia Civil possibilita diversas opções de carreira, com especializações, como, por exemplo:

Construção

É a área responsável pela execução e gerenciamento de obras, desde os custos até a eficiência e segurança delas. Podemos citar algumas atividades que se destacam, como a criação de fundações, concretagem, acabamento, construção de pontes e túneis, além de toda a parte que garante que uma obra esteja dentro das leis.

No setor de construção urbana, é papel do engenheiro civil projetar, construir e reformar edifícios e instalações presentes em áreas urbanas, como shoppings, aeroportos e museus, por exemplo.

Se você está cursando ou atua na área da Engenharia Civil, já parou para pensar que existem alternativas além do canteiro de obras para aplicar seus conhecimentos adquiridos durante o curso? Continue lendo para saber mais!

Estruturas

Foca no projeto de estruturas que forneçam rigidez e resistência às construções, garantindo, assim, a segurança de quem habitará a área. É importante que o Engenheiro Civil possua conhecimentos dos princípios físicos que envolvem uma obra e das características dos materiais e ferramentas da informática para que seja possível realizar dimensionamento e a escolha correta dos materiais utilizados na obra.

Recursos Hídricos

Já nesse setor, o Engenheiro Civil precisa saber da aplicação de métodos e conhecimentos sobre processos hidrológicos e hidráulicos para que seja possível criar o planejamento de estruturas de fornecimento de água, prevenção de enchentes, geração de energia e outros. Cabe ao engenheiro desenvolver, gerenciar e executar obras de barragens, reservatórios, canais e outros. Normalmente, o trabalho é desenvolvido junto a um engenheiro ambiental.

Recursos Energéticos

Nesse setor, o Engenheiro Civil realiza o trabalho desenvolvido com fontes de energia relacionadas à Engenharia Ambiental, como as tradicionais, alternativas e renováveis, além de sistemas e métodos de conversão e conservação de energia e impactos energéticos ambientais. Podemos citar como exemplo a autogeração de energia na Indústria de Papel e Celulose e a cogeração de energia na Indústria Sucroalcooleira.

Mapeamento

Neste setor, o Engenheiro Civil realiza a captação de dados em campo para a produção de mapas que servirão de base para o planejamento de uma obra futura.

Saneamento

O engenheiro que se dedica a este setor realiza o desenvolvimento de projetos de saneamento básico, como redes de captação e distribuição de água e estações de tratamento de esgoto. Neste setor e no setor de Recursos Hídricos, a Medição de Nível pode ser uma solução para o Engenheiro Civil que enxerga a necessidade da automação de processos e eficiência em seu tempo gasto.

Se você está cursando ou atua na área da Engenharia Civil, já parou para pensar que existem alternativas além do canteiro de obras para aplicar seus conhecimentos adquiridos durante o curso? Continue lendo para saber mais!

Qual o desafio enfrentado pela Medição de Nível no tratamento de água e esgoto?

Um dos maiores desafios do setor é a escolha das tecnologias mais adequadas para a medição de nível em suas instalações.

Para medição de água de lavagem para tratamento de químicos, por exemplo, além da alta condutividade do produto, outro fator a ser levado em consideração é a temperatura do processo que pode chegar a 150°C, sendo um dos desafios presentes na Medição de Nível.

Quando o medidor de nível escolhido é composto por materiais que não são resistentes a altas temperaturas, a medição é comprometida. A escolha do material adequado é determinada principalmente pela temperatura e poder corrosivo do fluido.

Atuar diante dessas condições requer equipamentos precisos e capacitados em face da interferência de elevados índices de temperatura e condutividade.

É importante ter uma Medição de Nível precisa em tanques de água de lavagem para tratamento de químicos. O processo é considerado crítico por conta de todos os riscos ambientais envolvidos.

A otimização de custos em função da produtividade, está fazendo todas as indústrias de pequeno, médio e grande porte aderirem aos instrumentos que utilizam tecnologias de Automação e Instrumentação Industrial em seus equipamentos.

Chegou o momento de dar um upgrade na operação em que você trabalha. Converse com o seu superior e contribua dando um basta nas cobranças em relação a produtividade da sua planta.

O próximo passo é buscar um fabricante que esteja comprometido em ajudar a enfrentar problemas com uma Instrumentação de má qualidade e oferecer soluções adequadas e eficientes para que estes problemas sejam solucionados.

Para falar sobre as tecnologias e equipamentos desse tipo, é preciso muita experiência de mercado. Você pode conferir o nosso eBook gratuito: o Guia de Medição de Nível em Silos e Tanques e para saber mais, clique aqui.

Não deixe de assinar a nossa newsletter e se tornar um especialista no assunto!

Obrigado pela leitura do nosso material e até a próxima!

FONTES

  • Mais de 35 anos de experiência em automação e controle de processos.
  • Mais de 13 mil horas de engenharia de aplicação on-site
  • Mais de 5000 soluções de instrumentação desenvolvidas