Aproveitamento da Vinhaça na Indústria Sucroalcooleira

Já dissemos diversas vezes aqui no blog que, com a preocupação acerca da escassez e dependência de energias não renováveis, diversas indústrias precisam buscar soluções inteligentes para driblar problemas, como a poluição do meio ambiente e a falta de matéria-prima nos processos. A indústria sucroalcooleira é uma delas. Nesse post, vamos falar sobre como o aproveitamento total da vinhaça pode ser benéfico para este setor!

E o que é uma vinhaça?

A vinhaça, que também pode ser chamada de vinhoto, tiborna ou restilo, também é o resíduo pastoso e que é gerado após a destilação fracionada do caldo de cana-de-açúcar fermentado para a obtenção do etanol. Para cada litro de álcool produzido, 12 litros de vinhaça são gerados!

Quais são os benefícios da utilização da vinhaça gerada pela indústria sucroalcooleira?

O uso controlado da vinhaça é reconhecido como uma boa prática na cultura da cana-de-açúcar, tanto do ponto de vista ambiental quanto do produtivo, pois permite a reciclagem total dos resíduos gerados após os processos, o que evita a poluição. A vinhaça, quando descartada, pode gerar graves danos ao meio ambiente!

Já quando ela é reutilizada em outros processos, gera, por exemplo, o aumento da fertilidade do solo, a redução do uso de água para irrigação e do uso de fertilizantes químicos. Consequentemente, os gastos são menores!

Rica em potássio, magnésio, cálcio, enxofre e micronutrientes, a vinhaça é aplicada como fertilizante nas próprias plantações de cana-de-açúcar! Ela também tem sido utilizada em larga escala no setor pecuário e na produção de metano.

O uso da vinhaça não é algo novo. Começou durante a década de 70, com a proibição do seu descarte e com a pressão para a diminuição na utilização de agrotóxicos.

Já dissemos diversas vezes aqui no blog que, com a preocupação acerca da escassez e dependência de energias não renováveis, diversas indústrias precisam buscar soluções inteligentes para driblar problemas, como a poluição do meio ambiente e a falta de matéria-prima nos processos. A indústria sucroalcooleira é uma delas. Nesse post, vamos falar sobre como o aproveitamento total da vinhaça pode ser benéfico para este setor!

Tem algum ponto negativo na utilização da vinhaça?

A vinhaça precisa ser aplicada corretamente nas plantações! É fundamental para que a sua utilização não se torne uma ameaça ao meio ambiente.

Mas como assim?

Quando despejada na natureza, a vinhaça favorece a proliferação de insetos que se alimentam do sangue de bovinos e animais domésticos, podendo levá-los à morte.

Além dos prejudicar o setor pecuário, a vinhaça pode contaminar lençóis freáticos, lagos e rios!

Segundo pesquisadores, mesmo depois de tratada, a vinhaça ainda apresenta poluentes. A dosagem na hora de utilizá-la deve seguir critérios e normas estabelecidas pela Cetesb (Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental).

A regulamentação do uso da vinhaça também determina a necessidade de impermeabilização de canais e reservatórios, para evitar a contaminação!

E aí? Entendeu mais sobre a utilização da vinhaça gerada na indústria sucroalcooleira?

Com o gasto cada vez maior de matérias primas não renováveis para a geração de energia, soluções inteligentes e eficientes precisam ser tomadas!

Para que não exista desperdício de matérias-primas durante todo o processo das usinas sucroalcooleiras, desde a fabricação de etanol e açúcar até a cogeração de energia, é importante escolher instrumentos que sejam eficientes para os processos e que não causem alarmes falsos e paradas de planta não programadas.

É importante também buscar um fabricante que realmente esteja comprometido em ajudar você a enfrentar o seu problema de medição de nível mais específico.

Não deixe de assinar a nossa newsletter para se tornar especialista no assunto!

Obrigado pela leitura do nosso material e até a próxima!

FONTES

  • Mais de 35 anos de experiência em automação e controle de processos.
  • Mais de 13 mil horas de engenharia de aplicação on-site
  • Mais de 5000 soluções de instrumentação desenvolvidas