Medição de Nível – Dicas rápidas para escolher o melhor medidor

Existem diversas tecnologias de Medição de Nível disponíveis no mercado.

Mas como saber qual é a melhor tecnologia de medição de nível para o meu tipo de operação?

As opções variam desde simples métodos manuais de medição direta até a Instrumentação Industrial mais sofisticadas que nem sequer tocam no produto.

Além disso, alguns sistemas de medição de nível estão disponíveis tanto para o controle de nível contínuo quanto para medição em um só ponto, respectivamente, a Medição de Nível Contínuo e Medição de Nível Pontual.

Neste texto, criamos uma maneira simples e fácil de entender os principais atributos e características de cada uma das opções que estão no mercado, de forma a permitir que você tome a decisão certa na hora do seu investimento.

Escolhendo o melhor medidor de nível na prática

Os principais sistemas de medição de nível podem ser agrupados em quatro categorias, levando em consideração as suas características gerais de aplicabilidade.

Temos as seguintes tecnologias de medição de nível:

  • Manual / Mecânico
  • Eletromecânico
  • Sem Contato / Eletrônico
  • Com Contato / Eletrônico

Esta seção apresenta e explica em detalhes a função, benefícios e limitações dos dispositivos em cada categoria.

Explicando cada uma das tecnologias em função de sua simplicidade de uso, custo de aquisição, manutenção, e performance.

Manual / Mecânico

Os instrumentos de medição de nível da categoria manual / mecânico não têm saída eletrônica.

O operador usa um dispositivo manual para obter uma indicação visual da quantidade de material no recipiente.

Exemplos de opções de medição de nível nesta categoria são trenas, hastes, e visores de nível.

Estes dispositivos, apesar de serem de baixo custo, não lhe permitem automatizar o processo produtivo.

Eletromecânico

Os instrumentos de medição de nível eletromecânicos são aparelhos compostos por conjuntos mecânicos de partes móveis que produzem uma saída eletrônica para controle.

Ao contrário dos instrumentos manuais / mecânicos, os dispositivos eletromecânicos fornecem uma medição que pode ser lida remotamente.

Estes dispositivos com partes móveis tendem a exigir altos investimentos de tempo e dinheiro em manutenção.

Além disso, sistemas eletromecânicos, quando expostos a processos industriais com produtos pegajosos, viscosos ou meios corrosivos, criam um ambiente de baixa confiabilidade.

As partes mecânicas do sistema estão sujeitas a incrustações e corrosão, o que inevitavelmente leva à paradas de planta não programadas, limpeza, ou reparos frequentes.

Exemplos de sistemas que utilizam esse tipo de tecnologia são deslocadores, pás rotativas e chaves boia.

Sem Contato / Eletrônico

Os instrumentos de medição de nível da categoria eletrônica sem contato fornecem uma medição sofisticada sem ao menos precisar tocar no produto.

Pelo fato de se tratarem de instrumentos de medição sem partes móveis e por não interagirem com o meio, a manutenção é mínima.

Contudo, apesar de todo esse apelo, estes sistemas são caros, importados e exigem rotinas complexas de calibração em softwares em inglês ou alemão, a fim de obterem funcionamento pleno.

Outro problema deste tipo de medidor de nível está diante de alguns desafios da medição de nível. Vapor, pó em suspensão (poeira), espuma, variação da umidade no ar, dentre outras interferências, afetam diretamente a confiabilidade da medição, fazendo com que estes sistemas sejam ideais apenas para processos altamente limpos e previsíveis.

Exemplos de dispositivos de medição de nível nesta categoria são radares de pulso e transmissores ultrassônicos.

Com Contato / Eletrônico

Os sistemas de medição de nível desta categoria são extremamente simples de instalar e calibrar, além de não possuírem partes móveis.

São dotados da melhor relação performance/custo entre todas opções.

Embora não sejam imunes à problemas de corrosão em meio ácidos, dispositivos que mensuram nível através de contato direto com o produto são os mais confiáveis para aplicações complexas onde há espuma, incrustação, ou pó em suspensão, e tendem a ser mais robustos e requererem menos manutenção do que outras opções.

Exemplos de dispositivos de medição nesta categoria são Radares de Onda Guiada, Sistemas com Tecnologia RF-Admitância, e Medidores de Nível Por Pressão Diferencial.

Mas e então, como escolher a melhor tecnologia de Medição de Nível?

Simplicidade de Uso, Custo, Manutenção e Desempenho.

Como se decidir pela melhor tecnologia de Medição de nível?

A decisão deve ser sempre baseada nas características específicas do seu processo, na verba disponível, e na capacitação da sua equipe.

No gráfico abaixo resumimos as relações expostas ao longo post, relacionando atributos de performance (simplicidade de uso, manutenção, e desempenho) contra o custo de aquisição.

Dê uma olhada!

Gráfico relaciona atributos de performance (simplicidade de uso, manutenção, e desempenho) e o custo de aquisição das tecnologias de Medição de Nível

Trata-se de uma estatística real, os medidores de nível direto (manuais/mecânicos) são os mais baratos, pois não tem componentes eletroeletrônicos, mas sua confiabilidade e impacto na produtividade da planta têm níveis de excelência e praticidade baixíssimos.

Os demais instrumentos, em especial aqueles que utilizam da tecnologia RF Admitância, são os mais modernos e eficientes. É este tipo de instrumentação industrial que vai fazer a planta onde você trabalha despontar lá na frente em produtividade, segurança e eficiência.

Pretendemos ter ajudado você a saber como escolher o melhor instrumento para a Medição de Nível!

Obrigado pela leitura de todo esse material preparado especialmente para você que está diariamente em instalações industriais.

Esperamos que tenha tirado boa parte das suas dúvidas em relação às diversas tecnologias de medidores de nível.

Para saber ainda mais acesse o nosso artigo completo sobre Medição de Nível.

Assine nossa newsletter, baixe nosso eBook e fique por dentro dessa e de outras novidades sobre o universo da Instrumentação Industrial.

FONTES

  • Mais de 35 anos de experiência em automação e controle de processos.
  • Mais de 13 mil horas de engenharia de aplicação on-site
  • Mais de 5000 soluções de instrumentação desenvolvidas
  • SENAI. Automação: Fundamentos de Instrumentação
  • FRANCHI, C. L. Instrumentação de Processos Industriais: Princípios e Aplicações
  • SENAI. Programa de Certificação Pessoal de Instrumentação Básica