Engenharia – entenda o que é!

Se você já esteve nos nosso blogs outras vezes, tanto nesse sobre Instrumentação e Controle como no de Radioproteção Na Prática, provavelmente já esbarrou em posts em que o tema era o profissional de Engenharia, seja o Engenheiro Instrumentista ou o Engenheiro de Segurança do Trabalho, por exemplo.

Mas você já se pegou pensando na Engenharia como um todo?

Por exemplo: o que é a Engenharia, o que um Engenheiro faz, em que áreas a ela está presente… São muitas dúvidas, né?

E esse post tem o objetivo de sanar as principais dúvidas sobre o assunto para você!

Primeiro precisamos entender o que é a Engenharia, certo?

A Engenharia é o estudo e a aplicação dos várias áreas da tecnologia. Ela também aproveita a criatividade, a inteligência e destreza para desenvolver algum tipo de atividade.

Tradicionalmente, a função dela era a de colocar uma ideia não material no “mundo real”.

Entretanto, essa ideia de ela lidar apenas com objetos concretos e materiais está no passado, já que, com uma mudança de cenário, ela passou a lidar também com objetos e situações abstratas e não-materiais, como as Engenharias de Custo e Informática, por exemplo.

Se formos pensar em todas as áreas da Engenharia, chegamos fácil na casa de 100!

Temos as mais conhecidas, como a Engenharia Civil, Ambiental e Química, mas temos também áreas mais diferenciadas, como a Engenharia de Gestão, de Minas e de Pesca!

E não podemos deixar de destacar também a Engenharia de Instrumentação e da Engenharia de Segurança do Trabalho!

O conceito existe desde a antiguidade, com a invenções fundamentais, como a roda, a polia e a alavanca pelo ser humano. Essas invenções exploravam os princípios básicos da mecânica para desenvolver ferramentas e objetos práticos para a sua utilização.

Já o termo em si tem uma origem muito mais recente, derivando da palavra “engenheiro”, que apareceu na língua portuguesa no início do século XVI e que se referia a alguém que construía ou operava um engenho. O termo “engenho” referia-se apenas a uma máquina de guerra, como uma catapulta ou uma torre de assalto.

A palavra “engenho”, entretanto, tem uma origem ainda mais antiga. Vem do latim “ingenium”, que significa “gênio”, ou seja uma qualidade natural, especialmente mental, portanto uma invenção inteligente.

Conforme os projetos de estruturas civis, como pontes e edifícios,evoluiram, entrou no vocabulário o termo “engenharia civil” como forma de diferenciar a atividade de construção daqueles projetos não militares e as máquinas de guerra desenvolvidas pela engenharia militar.

Engenharia na Antiguidade

As Pirâmides do Egito, os Jardins Suspensos da Babilônia, a Acrópole de Atenas, o Coliseu de Roma, as cidades dos antigos Maias, Incas e Astecas, a Muralha da China, por exemplo, servem como uma prova material da genialidade e habilidade dos antigos engenheiros.

Engenharia e o Renascimento

Nos séculos XV e XVI, a engenharia naval ganhou destaque em Portugal. Os novos tipos de navios desenvolvidos, como a caravela, foram fundamentais para a “descoberta” de novos continentes.

A primeira máquina a vapor foi construída em 1698 por Thomas Savery, que, por conta disso, é considerado o primeiro engenheiro mecânico moderno. O desenvolvimento deste aparelho deu origem à Revolução Industrial nas décadas seguintes, permitindo o início da produção em massa.

Com a ascensão da engenharia como profissão, durante o século XVIII, o termo tornou-se mais empregado para designar as atividades em que eram aplicadas a matemática e a ciência.

Além das engenharias militar e civil, também foram incorporadas também o que antes eram conhecidas como “artes mecânicas”.

Engenharia na Era moderna

Devido às experiências de Alexandre Volta em 1800, de Michael Faraday, Georg Ohm e outros, bem como à invenção do motor elétrico em 1872, podemos encontrar a origem da engenharia elétrica.

As invenções de Thomas Savery e de James Watt deram origem à engenharia mecânica moderna.

A engenharia química, assim como a mecânica, desenvolveu-se no século XIX, durante a Revolução Industrial. A produção em escala industrial demandava novas tecnologias para acelerar processos e torná-los mais eficientes.

Por volta de 1880, a necessidade da produção em larga escala de químicos era tanta que foi criada uma nova indústria, dedicada ao desenvolvimento e fabricação em massa de produtos químicos em novas fábricas. A função do engenheiro químico era a de projetar essas novas fábricas e processos.

Nos tempos modernos, surgiu a engenharia aeronáutica, ou aeroespacial, dando ênfase à expansão do campo que passou a lidar com o projetos de veículos espaciais.

Foram realizados experimentos bem sucedidos por Santos Dumont no início do Século XX, como o primeiro voo utilizando balão dirigível com motor a gasolina realizado em 1901 Ele também foi o primeiro no mundo a decolar a bordo de um avião impulsionado por um motor a gasolina, o conhecido 14-Bis, em 23 de outubro de 1906.

Apenas alguns anos depois dos bem sucedidos voos dos irmãos Wright (inclusive existe uma “briga” para ver quem inventou o avião: Santos Dumont X Irmãos Wright), a década de 1920 viu um crescimento intensivo da engenharia aeronáutica, através do desenvolvimento de aviões militares da época da Primeira Guerra Mundial.

Durante a Segunda Guerra Mundial, começou o desenvolvimento da engenharia de computação. A expansão rápida da informática depois do final da guerra transformou tanto os engenheiros de computação como os engenheiros da informática em alguns dos maiores grupos de profissionais da área.

Relação da Engenharia com outras ciências

As práticas da ciência e a da engenharia andam juntas!

Na engenharia aplica-se a ciência. Ambas as atividades baseiam-se na observação atenta de materiais e fenômenos e usam a matemática e critérios de classificação para analisarem e passarem as observações adiante.

Os cientistas podem desempenhar ações totalmente voltadas para a engenharia, como o desenho de aparelhos experimentais ou a da construção de protótipos.

Seguindo o sentido contrário, no processo de desenvolvimento de tecnologia, os engenheiros ocasionalmente acabam explorando novos fenômenos, transformando-se momentaneamente em cientistas.

No entanto, a pesquisa em engenharia tem um carácter diferente da pesquisa científica!

Ela frequentemente lida com áreas em que a física e a química básicas são bem conhecidas, mas os problemas em si são muito complexos para serem resolvidos por um engenheiro.

Essencialmente, pode dizer-se que os cientistas tentam entender a natureza enquanto que os engenheiros tentam fazer coisas que não existem na natureza.

Engenharia, Medicina e Biologia

Em algumas áreas dos estudos do corpo humano, é importante uma ligação entre a medicina e alguns campos da engenharia. A medicina tem o objetivo de sustentar, aumentar e até substituir funções do corpo humano, se necessário, através do uso da tecnologia.

Com o avanço da medicina moderna, é possível substituir várias funções do corpo através do uso de próteses e órgãos artificiais, além de alterar significativamente várias dessas funções através de dispositivos, como implantes cerebrais e marca-passos. A biônica é um campo específico que se dedica ao estudo dos implantes sintéticos em sistemas naturais.

Resultado de imagem para paralympic athletes

Seguindo o caminho oposto, alguns campos da engenharia veem o corpo humano como uma máquina biológica que merece ser estudada e dedicam-se a melhorar muitas das funções dele, substituindo a biologia pela tecnologia.

O coração, por exemplo, funciona como uma bomba hidráulica. Estas semelhanças, bem como a crescente importância da aplicação dos princípios da engenharia à medicina levou ao desenvolvimento da engenharia biomédica.

Assim, surgiram diversos campos de estudo, como a inteligência artificial, as redes neurais e a robótica, por exemplo.

Engenharia e as Artes

Ainda existem muitas ligações entre as artes modernas e a engenharia, como na arquitetura paisagista e no design industrial, a ponto destas disciplinas serem partes integrantes dos currículos de alguns cursos superiores!

Entre as figuras históricas famosas, Leonardo Da Vinci se destaca como artista e engenheiro no período do Renascimento. Ele é um ótimo exemplo da ligação entre os dois campos!

Resultado de imagem para davinci

Ela também se encaixa em diversos campos de estudos sociais e políticos, como a engenharia social e política, que lidam com a formação das estrutura política e social usando métodos da engenharia associada aos princípios da ciência política.

E aí? Agora você está mais familiarizado com a Engenharia?

Esperamos ter ajudado você com as suas dúvidas e ter gerado mais interesse sobre essa área ampla!

Com a importância cada vez maior da automação na indústria, o papel do Engenheiro de Instrumentação é fundamental!

A Engenharia de Automação e Instrumentação une os princípios da elétrica, mecânica, eletrônica, computação e os conhecimentos da engenharia de processos com o intuito de melhorar a confiabilidade, a economia e a agilidade dos processos de um sistema!

Já o Engenheiro da Segurança do Trabalho está preparado para planejar, coordenar, supervisionar e desenvolver técnicas de controle de riscos nos locais de trabalho, além de instalações e uma variedade de equipamentos.

Não se esqueça de assinar nossa newsletter e também ficar pode dentro de todas as dicas para você ser um especialista em Instrumentação e Controle.

Obrigado pela leitura desse material e até a próxima!

FONTES

  • Mais de 35 anos de experiência em automação e controle de processos.
  • Mais de 13 mil horas de engenharia de aplicação on-site
  • Mais de 5000 soluções de instrumentação desenvolvidas
  • BRONOWSKI, J. (coordenação), A Técnica – O Homem Recria o Mundo, Lisboa: Publicações Europa-América, 1964
  • OLIVEIRA, Vanderlí Fava de, História da Engenharia, Rio de Janeiro: UFRJ, 2004
  • Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, Lisboa: Círculo de Leitores, 2002
  • HEITOR, Manuel, BRITO, José Maria B. e ROLLO, Maria Fernanda (coordenadores), Engenho e Obra – Engenharia em Portugal no Século XX, Lisboa: Dom Quixote, 2002
  • FUNG, Y. C., TONG, P., Classical and Computational Solid Mechanics, World Scientific, 2001
  • McGEE, Ellen M., MAGUIRE Jr., G. Q., Ethical Assessment of Implantable Brain Chips, Boston University
  • EVANS-PUGHE, C. IEEE technical paper: Foreign parts (electronic body implants)
  • Institute of Medicine and Engineering: Mission statement
  • IEEE Engineering in Medicine and Biology
  • Systems Biology: a vision for engineering and medicine, Royal Academy of Engineering and Academy of Medical Sciences
  • Science Museum of Minnesota: Online Lesson 5a; The heart as a pump
  • Bones act as levers, Minnesota State University Museum
  • UC Berkeley News: UC researchers create model of brain’s electrical storm during a seizure
  • Lehigh University project: We wanted to use this project to demonstrate the relationship between art and architecture and engineering
  • The Art of Engineering, National Science Foundation
  • The Art of Engineering, MIT World
  • University of Texas at Dallas: The Institute for Interactive Arts and Engineering