Falsos Alarmes na Indústria de Siderurgia e Metalurgia: Causas, Consequências e Como Reduzir Danos Aos Equipamentos e Processos

Se você está inserido na Indústria da Siderurgia e Metalurgia, sabe que alarmes falsos podem prejudicar todo o processo, além de gerarem paradas de planta não programadas e gastos desnecessários.

Através deste post, descubra quais as causas, consequências e como reduzir danos aos equipamentos!

Os 5 principais desafios da Medição de Nível

Durantes os processos industriais, algumas intercorrências afetam a confiabilidade da Medição de Nível, tornando-se verdadeiros desafios para a realização de uma medição confiável. Estas intercorrências devem ser chamadas de desafios porque não se tratam de problemas por si só, mas de eventos que ocorrem naturalmente nos processos e cabe à instrumentação “vencer” este desafio. Veja:

Incrustação: é aquela camada de produto acumulado que recobre os tanques de armazenamento e os medidores de nível, comprometendo a eficiência dos equipamentos.

Espuma: gerada em boa parte dos processos contínuos, também se torna um problema quando ela impede a medição precisa da grandeza pretendida.

Temperatura: quando o medidor de nível escolhido é composto por materiais que não são resistentes a altas temperaturas, a medição é comprometida. A escolha do material adequado é determinada principalmente pela temperatura e poder corrosivo do fluido.

Pó em suspensão: é a poeira que está em praticamente todas as indústrias, como a mineração, siderurgia, papel e celulose, química, petroquímica e até mesmo em portos (terminais de embarque de graneleiros).

Interfaces Complexas: são características físico-químicas diferentes dos produtos e o desafio aqui é medir o nível de duas ou mais substâncias diferentes, tal qual ocorre na indústria petroquímica, por exemplo. São usados sistemas de separação para distinguir as interfaces em fases reaproveitáveis e/ou descartáveis.

Além dos desafios citados, as tecnologias existentes em instrumentação industrial para medição de nível ainda devem lidar com outras condições de processo bastante severas como vibração, agitação, abrasão, viscosidade, choque mecânico, arraste, pressão e vácuo.

Para conseguir que o processo seja eficiente, é necessário que a Medição de Nível esteja calibrada e livre de interferências para que a produção transcorra perfeitamente. Todos esses desafios afetam negativamente a produtividade da planta ao gerar alarmes falsos, transbordamentos e até medições duvidosas.

Se você está inserido na Indústria da Siderurgia e Metalurgia, sabe que alarmes falsos podem prejudicar todo o processo, além de gerarem paradas de planta não programadas e gastos desnecessários.

Como paradas de planta e alarmes falsos podem ser prejudiciais para a indústria?

Na indústria, é comum serem realizadas paradas programadas nas plantas para que ocorram manutenções preventivas no maquinário, presente em diversos processos. As paradas de planta não programadas ocorrem quando é necessário, por algum motivo, que o processo de produção seja paralisado fora do cronograma normal e algum reparo ou manutenção fora do comum seja feito.

As paradas de planta não programadas são consideradas “normais” para grande parte das indústrias. Falhas humanas, o aterramento e até mesmo a má qualidade e o mau funcionamento dos instrumentos de medição escolhidos podem ser considerados fatores que causam essas paradas, além de gerarem alarmes falsos, transbordamentos e imprecisões nas medições.

Além das paradas de planta não programadas e o alarme falso gerado pelo medidor, a confiabilidade da Medição de Nível fica prejudicada, gerando riscos de Não Conformidades.

Qual a diferença entre Siderurgia e Metalurgia?

Tanto na metalurgia quanto na siderurgia são produzidos metais, a diferença é o tipo de metal que cada uma produz. Uma metalúrgica produz vários tipos de metais em um âmbito mais amplo: alumínio, cobre, titânio e ferro, por exemplo. Já uma siderúrgica é como se fosse uma metalúrgica especializada, já que trabalha exclusivamente com a produção de aço e ferro.

Outra diferença da siderurgia para a metalurgia é que, em uma siderúrgica existem os altos-fornos que conseguem chegar a altíssimas temperaturas, pois é somente neste calor que o ferro é fundido. Já em uma metalúrgica, os metais trabalhados não precisam de uma temperatura tão alta.

Quais as principais causas dos alarmes falsos na siderurgia e metalurgia e quais as consequências?

Nos processos de Areia Verde em vasos pneumáticos, por exemplo, problemas eletrônicos em decorrência da utilização de sensores de nível capacitivos, nos quais o elemento sensor e a unidade eletrônica agiam como uma única peça, podem gerar os alarmes falsos, uma vez que a instrumentação para medição de nível escolhida não é a ideal para o processo.

Outro problema que pode  ocorrer com a aplicação de instrumentos de medição de nível errados são as incrustações nas paredes do recipiente, que, caso sejam usados sensores de nível capacitivos, aumentam a Capacitância dentro dos vasos pneumáticos, gerando, assim, falsos sinais de alarme nos sensores puramente capacitivos. Sem falar na vibração dos vasos, que podem prejudicar a unidade eletrônica do instrumento de medição de nível.

Esses alarmes falsos e a medição errônea geram consequências graves, como prejuízo no andamento de todos os processos envolvendo os vasos pneumáticos!

Qual a solução encontrada para lidar com esses alarmes falsos?

Para garantir a confiabilidade da medição de nível por um longo período, uma chave de nível capaz de ignorar completamente a incrustação e resistir à vibração no vaso seria o ideal. Uma boa aplicação de um instrumento de medição de nível seria uma Chave de Nível com a tecnologia RF-Admitância, que não é afetada por incrustações e outras interferências, realizando uma medição precisa e sem a geração de alarmes falsos.

Se você está inserido na Indústria da Siderurgia e Metalurgia, sabe que alarmes falsos podem prejudicar todo o processo, além de gerarem paradas de planta não programadas e gastos desnecessários.

Para lidar com as fortes vibrações dos vasos pneumáticos nessa etapa, o ideal seria a utilização de uma unidade eletrônica para a chave de nível totalmente encapsulada em resina de alta resistência e durabilidade. Assim, as  vibrações não afetarão os componentes eletrônicos, deixando o instrumento com uma medição ainda mais precisa e bem longe das manutenções.

Com essa precisão na medição, alarmes falsos não serão gerados e, consequentemente, o número de paradas de planta será reduzido drasticamente!

A otimização de custos em função da produtividade está fazendo todas as indústrias de pequeno, médio e grande porte aderirem aos instrumentos que utilizam tecnologias de Automação e Instrumentação Industrial em seus equipamentos.

Chegou o momento de dar um upgrade na operação em que você trabalha. Converse com o seu superior e contribua dando um basta nas cobranças em relação a produtividade da sua planta.

O próximo passo é buscar um fabricante que esteja comprometido em ajudar a enfrentar problemas com uma Instrumentação de má qualidade.

Assine a nossa newsletter e se torne um especialista no assunto!

Obrigado pela leitura do nosso material e até a próxima!

FONTES

  • Mais de 35 anos de experiência em automação e controle de processos.
  • Mais de 13 mil horas de engenharia de aplicação on-site
  • Mais de 5000 soluções de instrumentação desenvolvidas