Medição de Nível em Ambientes Adversos

Se você é um Técnico em Instrumentação ou Automação Industrial, sabe que a seleção de um equipamento para a indústria é muito importante em todos os aspectos e, quando falamos em Medição de Nível em ambientes adversos, isso não é diferente!

A Medição de Nível em ambientes adversos ou agressivos, exige maior cuidado com os equipamentos, necessitando uma identificação minuciosa da aplicação em que os equipamentos serão instalados.

Podemos citar como exemplo de uma medição de nível em ambientes adversos a indústria alimentícia e química, que exigem muito controle do processo produtivo, tendo em vista que em suas aplicações ocorrem elevados processos de corrosão e elevadas taxas de temperatura e pressão que podem comprometer a integridade de equipamentos elétricos e mecânicos.

Para que nenhum tipo de acidente ou avaria ocorra, é importantíssimo fazer uma identificação exata do cenário onde os equipamentos serão instalados e verificar se tais equipamentos atendem as normas e os requisitos mínimos para garantir a segurança do trabalhador.

Podemos citar a norma NR 10 e NR 12 como fundamentais para a indústria de automação.

  • A NR 10 tem a finalidade de criar condições mínimas de segurança aos trabalhadores no setor elétrico. Esta norma se aplica às etapas de projeto, construção, montagem, manutenção das instalações elétricas e qualquer trabalho realizado nas proximidades.
  • A NR 12, referente a Máquinas e Equipamentos, concebe todas as normas necessárias de segurança aos locais de instalação de máquinas e equipamentos, desde projetos, fabricação, importação e até comercialização.

Ao adquirir um equipamento elétrico, você vai notar em suas especificações um grau de proteção referente ao invólucro como, por exemplo, o IP65.

Mas o que seria esse grau de proteção?

Todo equipamento elétrico, independente de ser aplicado em uma atmosfera explosiva ou não, precisa ter essa identificação do grau de proteção, com a finalidade de evitar qualquer dano a quem trabalha diretamente com o equipamento e ao próprio equipamento.

Logo, o grau de proteção é uma medida que tem o intuito de proteger pessoas do contato com partes energizadas sem isolamento, proteção contra a entrada de corpos sólidos estranhos e proteção para evitar entrada de água no interior.

Outro ponto muito importante que devemos atentar no momento de especificar o equipamento para atuar em uma aplicação agressiva, é verificar o quão abrasivo é o processo, se existe corrosão, riscos de incrustações, altas ou baixas temperaturas e altas ou baixas pressões.

Podemos pegar um exemplo de especificação de um dos medidores de níveis que possuem haste com variados tipos de revestimentos, como o PTFE (Teflon), PFA, PVDF e cerâmica.

Revestimentos e suas Características

O PVDF (Fluoreto de Polivinilideno) é um material com resistência a impactos, abrasão, temperaturas elevadas e resistência a agentes químicos, sendo então, fundamental para medições em ácidos agressivos, solventes e produtos alimentícios.

O teflon, PTFE (politetrafluoretileno) possui excelente resistência química (prevenindo a corrosão), rigidez, boa margem de temperatura de trabalho de -180°c a 250°c. Apresenta baixa resistência mecânica e abrasiva e pode ter contato com alimentos, já que não possui toxicidade.

O plástico PFA (perfluoroalcoxi) possui resistência a alta temperatura (até 260°) é é bastante flexível, sendo resistente a estresse mecânico, e, quando se trata da resistência química, é parecido com o PTFE.

Por último, vamos falar da cerâmica, material bastante resistente, quimicamente estável que, conforme sua temperatura aumenta, a resistência também aumenta. São chamadas reações termoquímicas. Material frágil, por conta da sua alta dureza, a cerâmica é considerada um bom isolante térmico e elétrico.

Temos algumas aplicações que possuem líquidos com bastante agitação e elevada formação de espuma, isso talvez por causa de algum agitador interno no silo.

Essa agitação pode ocasionar alarme falso!

Podemos usar como exemplo um Transmissor de Nível Lince Série 400, projetado especificamente para realizar a medição de nível em ambientes adversos e agressivos.

São quatro modelos de transmissores capazes de realizar a medição em ambiente com elevada formação de espuma e bastante agitação.

Tudo isso por causa de um tubo concêntrico, ideal para agitação, instalado, “protegendo” a haste do transmissor e garantindo a confiabilidade na medição.

Citando mais um exemplo, agora para uma medição de nível pontual em armazenagem de um silo de Clínquer, que sai do forno em uma temperatura bastante elevada.

Para esse caso é indicado uma chave de nível com revestimento em cerâmica, indicado para altas temperaturas e pressão.

Chave de Nivel com revestimento em cerâmica

Por isso, é muito válido estar atento a essas especificações, como incrustações, formação de espuma, pó em suspensão, abrasão e choque mecânico, para evitar possíveis não conformidades e garantir aumento da durabilidade dos equipamentos, prevenindo futuros gastos com manutenção e paradas de plantas.

Portanto para manter a eficácia e conservação desses equipamentos é sempre importante atentar a que tipo de processo ele vai atuar, ter pleno conhecimento de como manusear e ter entendimento da instalação, pois, infelizmente, temos inúmeros exemplos de avaria de equipamentos ou mal funcionamento dele, pelo simples fato de falta de conhecimento técnico para manuseá-lo ou má comunicação na relação cliente-fornecedor.

Se você é um Engenheiro de Projetos, com certeza deve saber que ao selecionar um material deve-se considerar uma série de fatores que são fundamentais.

Em algumas situações, as propriedades dos materiais que compõem o equipamento se tornam o fator determinante em relação a outras propriedades do mesmo equipamento.

É nesse momento que entra a necessidade de um especialista técnico ou consultor da área auxiliando o projetista e, juntos, garantindo a excelência do projeto, chegando a um resultado satisfatório, e a confiabilidade do projeto.

Seguindo todos os procedimentos para seleção do material e fazendo uma análise de riscos que a operação requer, é garantido um processo seguro na indústria, evitando uma não conformidade e custos desnecessários com trocas ou manutenção, levando a sustentabilidade da empresa.

Podemos considerar que o custo é um dos maiores temores na indústria.

É muito difícil de se evitar e é por isso que, a seleção de um equipamento para atuar na sua indústria, principalmente se houver ambientes adversos, deve ser muito bem feita, envolvendo uma equipe técnica capaz de garantir um projeto confiável.

Se você deseja reduzir ao máximo o risco de uma não conformidade e buscar a excelência em seu projeto de instrumentação com medição de nível em ambientes adversos, precisa ter em suas mãos o conhecimento de todas as informações necessárias para a especificação de equipamentos, consultores que possam te ajudar com informações técnicas, fortalecendo a parceria cliente–fornecedor, e respeitar as normas em que caiba a aplicação.

Esperamos que a partir de agora você tenha entendido sobre como funciona a Medição de Nível em ambientes adversos!

Trabalhar com uma empresa nacional, capaz de fornecer sistemas simples de operar, calibrar o instrumento recém adquirido através de softwares complexos em língua estrangeira, regular os parâmetros do fabricante para suas necessidades, além de priorizar fornecedores cuja plataforma de serviço lhe dê suporte rápido e contínuo, cria um alto grau de confiabilidade para a operação como um todo.

Preparamos um eBook especial com tudo sobre a Medição de Nível e você pode baixá-lo gratuitamente.

Compartilhe com seus colegas que conhecem ou desconhecem totalmente o assunto e juntos desenvolvam ainda mais seus conhecimentos sobre instrumentação industrial.

Não esqueça de assinar nossa newsletter e ficar por dentro de todas as dicas que passamos para você ser um especialista em Instrumentação e Controle.

Obrigado pela leitura de todo esse material e até a próxima!

FONTES

  • Mais de 35 anos de experiência em automação e controle de processos.
  • Mais de 13 mil horas de engenharia de aplicação on-site
  • Mais de 5000 soluções de instrumentação desenvolvidas
  • NR-10
  • NR-12