Melhor performance de sensibilidade e estabilidade das unidades eletrônicas

São partes essenciais as unidades eletrônicas de um instrumento de Medição de Nível e desempenham um papel importante para todo o processo de controle de nível.

Saiba neste post como uma unidade eletrônica com mais sensibilidade pode ser muito mais benéfica para os seus processos!

Como funcionam as Unidades Eletrônicas de Instrumentos Radiométricos?

Diferentemente das Unidades Eletrônicas presentes em Instrumentos de Medição que não utilizam fontes Radioativas, como a RF-Admitância – que ainda continua sendo uma boa solução para processos menos críticos.

Dentro da unidade eletrônica de um Instrumento de Medição de Nível Radiométrico, existem dois componentes principais: o Cristal de Cintilação e a Fotomultiplicadora. 

Estes dois elementos podem ter tamanhos variados, que interferirá na sensibilidade da medição e no tempo de resposta. 

Quanto maior o Cristal de Cintilação, mais sensível será a medição, pois ele pode “enxergar” um maior número de fótons, permitindo a realização de mais contagens. 

Ao realizar mais contagens, a passagem de informações para a Fotomultiplicadora melhora consideravelmente.

Mas o que é a Fotomultiplicadora?

A Fotomultiplicadora é o equipamento feito para converter a radiação em elétrons, que são multiplicados em forma de sinal enviado para o computador que comanda o processo.

É importante lembrar que a precisão, a resolução e a sensibilidade andam juntos. Existe um tempo entre a emissão de radiação chegar ao Cristal de Cintilação e passar para a unidade eletrônica. Quanto menor for este tempo de resposta, melhor!

Por que investir em Instrumentos Radiométricos mais modernos?

Os Instrumentos Radiométricos fornecidos atualmente pela Lince possuem o Cristal de Cintilação e a Fotomultiplicadora maiores, contando com maior sensibilidade e tempo de resposta bem menores.

Como dissemos, quanto maior a sensibilidade, maior será a precisão da medição e menor será o tempo de resposta. 

Ao mesmo tempo, a fonte não precisa ficar mais tempo ativa, garantido uma maior vida útil, sendo possível, inclusive, usá-la quando ocorrer o decaimento da sua meia-vida.

O sistema SuperSENS presente nos Instrumentos fornecidos pela Lince garante precisão de medição extraordinariamente alta. É adequado para situações em que, antigamente, só poderiam receber aplicações de fontes com altas atividades.

Este sistema é perfeito para tubos e reservatórios que possuam paredes mais espessas ou para reservatórios com grandes diâmetros, pois as medições podem ser feitas utilizando fontes de atividades menores.

O volume de cintilação é várias vezes maior do que o realizado em instrumentos antigos, resultando em uma sensibilidade de até 3 ou 4 vezes maior. Isso garante que a troca da fonte radioativa seja adiada por vários anos!

Como funciona a Medição de Nível com instrumentos Radiométricos?

Para entender como funciona a medição, podemos tomar como exemplo um Densímetro Radiométrico. Ele é um medidor que, utilizando a tecnologia radiométrica, mede a variação de radiação conforme o aumento ou diminuição da densidade de um determinado fluido presente no local de armazenamento.

Ele trabalha com uma fonte emissora de radiação e um receptor dessa radiação, para realizar a medição em diversas aplicações, como na indústria de minérios e na de papel e celulose, por exemplo.

Na indústria de minérios, o Densímetro Radiométrico é usado para saber a densidade da polpa de minério que está passando pela tubulação. 

Esta polpa possui uma densidade ideal para que seja de qualidade, então, é preciso verificar se não existe muita sujeira ou muita água.

É aí que o Densímetro Radiométrico entra!

Já na indústria de papel e celulose, o Densímetro Radiométrico é utilizado para medir a densidade do licor utilizado na produção. 

É importante realizar essa medição para que saiba se, de acordo com a densidade, o licor está no ponto ideal para ser reutilizado ou precisar retornar para o ciclo de recuperação.

Então compensa investir em Instrumentos Radiométricos?

Como foi dito antes, depende muito da aplicação em que o Instrumento será utilizado, uma vez que o investimento é alto. É o que chamamos de processos mais críticos.

Além disso, é verdade que você não pode simplesmente comprar um equipamento nuclear e começar a usar sem maiores precauções. É preciso cumprir uma série de exigências legais e fazer toda a regulamentação da planta junto à CNEN.

Porém, o uso de Instrumentos Radiométricos tem qualidade e precisão extremas, mecanismos de altíssima segurança e alta durabilidade. A vida útil da unidade eletrônica dos novos Instrumentos da Lince é muito longa, evitando o gasto com manutenções desnecessárias.

Se você quer eficiência na sua medição, não pode ter medo de lidar com equipamentos nucleares! Temos um post somente sobre equipamentos nucleares, você pode conferir aqui!

Um ponto importante na hora de escolher o seu medidor nuclear, é escolher um fabricante que esteja ao seu lado e te dê suporte em todo o processo, desde a compra até depois da instalação do equipamento.

Para que você possa conhecer mais sobre os cuidados de radioproteção envolvendo as atividades que utilizam fontes radioativas, indicamos o nosso “blog irmão” Radioproteção na Prática.

E se você quiser saber tudo sobre Medição de Nível, não perca este post!

Não esqueça de assinar nossa newsletter e ficar por dentro de todas as dicas e novidades!

FONTES

  • Mais de 35 anos de experiência em automação e controle de processos.
  • Mais de 13 mil horas de engenharia de aplicação on-site
  • Mais de 5000 soluções de instrumentação desenvolvidas