Quais as principais diferenças entre a Medição de Nível com contato e sem contato

Quando se trata de Medição de Nível e todos os desafios enfrentados na área, saber escolher entre instrumentos que realizam as medições com ou sem contato é essencial.

Continue lendo e saiba mais!

Por que a Medição de Nível é tão importante?

A indústria vem aumentado a demanda de controle de processos a cada dia. Manter um controle adequado tem se tornado cada vez mais importante. O principal objetivo da Medição de Nível é manter o controle do processo produtivo, seja em volume ou peso. 

Se a sua medição é eficiente, você terá como resultado um maior rendimento da produção, pois os processos serão feitos sem interrupções.

Se uma Medição de Nível é feita de forma ineficiente, podem ocorrer problemas gravíssimos, como paradas de planta não programadas, alarmes falsos, transbordamentos e outros, que acabam gerando danos, tanto para a empresa quanto para o ambiente.

O que é Medição de Nível?

Como o próprio nome diz, o Nível é a medida em altura do conteúdo líquido ou sólido de um reservatório. A Medição de Nível possibilita:

  • A avaliação  de tanques de armazenamento, através da Medição de Nível Pontual;
  • O controle dos processos contínuos em que existam volumes líquidos ou sólidos, de acumulação temporária, amortecimento, mistura, resistência etc., através da Medição de Nível Contínuo.

Por exemplo: instrumentos de Medição de Nível pontual informam se o tanque ou silo está cheio (no caso de medição pontual em nível alto) ou vazio (no caso de medição em nível baixo).

Já os instrumentos feitos para a Medição de Nível Contínuo, servem para manter o controle de produto e liberá-lo (ou não) para processos seguintes, enquanto mais produto entra no tanque de armazenamento.

Quais são os principais desafios da Medição de Nível?

Durantes os processos industriais, algumas irregularidades podem afetar a confiabilidade da Medição de Nível, tornando-se verdadeiros desafios para a realização de uma medição confiável. 

Estas irregularidades na indústria são em grande parte um grande desafio, porque não se tratam de problemas por si só, mas de eventos que ocorrem naturalmente nos processos, e cabe à instrumentação “vencer” este desafio.

Algumas desses desafios são:

Incrustação: é aquela camada de produto acumulado que recobre os medidores de nível, comprometendo a eficiência destes equipamentos.

Espuma: gerada em boa parte dos processos contínuos e com muita agitação, também se torna um problema quando ela impede a medição precisa da grandeza pretendida, já que a espuma pode ser detectada pelo sensor como produto real e assim gerar alarme falso.

Temperatura: quando o medidor de nível escolhido é composto por materiais que não são resistentes à altas temperaturas, a medição pode ser totalmente comprometida. A escolha do material adequado é determinada, principalmente, pela temperatura e poder corrosivo do fluido.

Pó em suspensão: é a poeira que está em praticamente todas as indústrias, como a mineração, siderurgia, papel e celulose, química, petroquímica e até mesmo em portos (terminais de embarque de graneleiros). É também considerado um grande desafio da Medição de Nível, já que esse pó em suspensão pode gerar alarme falso no sensor, comprometendo toda a medição

Interfaces Complexas: são características físico-químicas diferentes dos produtos e o desafio aqui, é medir o nível de duas ou mais substâncias diferentes, tal qual ocorre na indústria petroquímica, por exemplo. São usados sistemas de separação para distinguir as interfaces em fases reaproveitáveis e/ou descartáveis.

Além dos desafios citados, as tecnologias existentes em instrumentação industrial para medição de nível, ainda devem lidar com outras condições de processo bastante severas, como vapor, agitação, abrasão, viscosidade, choque mecânico, arraste, pressão e vácuo.

Para conseguir que o processo seja eficiente, é necessário que a Medição de Nível esteja calibrada e livre de interferências, para que a produção transcorra perfeitamente. Todos esses desafios podem afetar negativamente a produtividade da planta ao gerar alarmes falsos, transbordamentos e até medições duvidosas. Contudo existem equipamentos no mercado que são imunes a esses desafios.

Medição de Nível com Contato e Sem Contato

Em uma medição com contato, parte do sistema de medição tem contato direto com o conteúdo do tanque. A RF-Admitância e os Radares de Onda Guiada são os dois melhores exemplos de tecnologia aplicada à Medição de Nível e que realizam a medição por contato.

Já quando falamos de Medição de Nível sem contato, nenhuma parte do sistema de medição  fica em contato direto com o produto armazenado no tanque. Assim, os principais desafios da Medição de Nível não afetam os resultados na maioria das vezes. Métodos sem contato são preferidos quando o meio a ser controlado é especialmente abrasivo ou corrosivo.

Em alguns dos casos, verifica-se uma perda de precisão na medição, devido à poeira ou pó em suspensão e ecos falsos na leitura. Mas, o processo de Medição de Nível sem contato, como é feito por equipamentos radiométricos, garantem uma precisão não atingida por nenhum outro tipo de medidor, uma vez que utilizam tecnologia atômica.

Quando a Medição de Nível sem contato pode ser aplicada?

A tecnologia de Medição de Nível presente nos instrumentos fornecidos por empresas que possuam a mais moderna instrumentação, pode ser utilizada em vários setores da indústria – desde a indústria química até a indústria de águas residuais. Ela é versátil, podendo medir faixas de apenas alguns milímetros ou até vários metros.

As aplicações são particularmente eficazes quando os locais em que a medição feita são considerados Ambientes Adversos, com condições extremas, como:

  • Temperaturas muito altas;
  • Alta pressão;
  • Formação excessiva de espuma;
  • Poeira;
  • Meios ácidos ou abrasivos.

Esta tecnologia é apropriada para qualquer tipo de reservatório ou silo, tanques de armazenamento normais ou em alta temperatura, tanques com agitadores, ciclones, reatores de alta pressão ou autoclaves. 

Procure por empresas que forneçam equipamentos radiométricos com montagem fácil, feita na parte externa do reservatório, sem haver o contato com o material que será medido, pois estes são livres de desgastes e manutenções, e possui a possibilidade de instalação posterior em sistemas existentes.

Para que ter dores de cabeça no futuro, não é mesmo?

Chegou o momento de dar um upgrade na operação em que você trabalha. Converse com o seu superior e contribua dando um basta nas cobranças em relação a produtividade da sua planta.

O próximo passo é buscar um fabricante que realmente esteja comprometido em ajudá-los a enfrentar problemas com uma Instrumentação de má qualidade.

Não deixe de assinar a nossa newsletter e se tornar um especialista no assunto!

Obrigado pela leitura do nosso material e até a próxima!

FONTES

  • Mais de 35 anos de experiência em automação e controle de processos.
  • Mais de 13 mil horas de engenharia de aplicação on-site
  • Mais de 5000 soluções de instrumentação desenvolvidas